STRASS – O Sindicato francês d@s Profissionais do Sexo

O STRASS ou Syndicat du TRAvail Sexuel existe desde 2009 na França. Foi criado por profissionais do sexo durante a Conferência Europeia da Prostituição, que se realizou então em Paris; Reuniram-se profissionais do sexo, acompanhadas por advogados, assistentes sociais, sociólogos, etc.

O Pimenta.Club está na luta com o STRASS para que todas @s profissionais do sexo tenham os mesmos direitos que qualquer trabalhador. È preciso ter representatividade para que exista uma defesa contra qualquer violação dos direitos da classe.

STRASS para quem?

O STRASS representa todas as profissionais do sexo, independentemente de seu gênero ou tipo de trabalho sexual envolvido. Garotas de programa, (de rua ou anunciantes em site de acompanhantes), atores pornôs, massagistas eróticos, dominatrizes profissionais, operadoras de telefone rosa, modelos de webcam, strippers, modelos eróticas, etc.

O STRASS dá atenção especial às mulheres – ao adotar uma postura feminista baseada no direito de todos de dispor livremente de seu corpo – e aos migrantes – ao adotar uma posição crítica em relação às políticas de migração que os colocam em perigo.

Women from the STRASS trade union (Syndicate for sexual workers) hold placards reading "Stop repression, not our clients" (R) during a protest march to condemn violence against women, on November 23, 2019 in Marseille, southern France. - Since the beginning of 2019, at least 116 women have been killed by their spouses or former spouses, according to a count and a case-by-case study conducted by AFP. The feminist collective "Feminicides by companions or ex" has counted 137 women killed in a conjugal context since January 1st. (Photo by CLEMENT MAHOUDEAU / AFP) (Photo by CLEMENT MAHOUDEAU/AFP via Getty Images)
Women from the STRASS trade union (Syndicate for sexual workers) hold placards reading “Stop repression, not our clients” (R) during a protest march to condemn violence against women, on November 23, 2019 in Marseille, southern France (Photo by CLEMENT MAHOUDEAU/AFP via Getty Images)

O STRASS para quê?

#apenas-os-direitos-podem-parar-os-erros

  1. Exigem a aplicação da lei comum a todas as profissionais do sexo. Até à data, a legislação francesa é particularmente discriminatória contra as trabalhadoras do sexo que são prostitutas (de rua ou de interior), como resultado da política proibicionista seguida pela França.
  2. Lutam pelo reconhecimento de todas as formas de trabalho sexual, contra sua proibição, pois todas as disposições repressivas que dificultam seu exercício mantêm as trabalhadoras do sexo na insegurança e na ilegalidade.
  3. Exigem que as trabalhadoras do sexo, especialmente as estrangeiras e em situação irregular, sejam efetivamente protegidas contra o trabalho forçado, a servidão e a escravidão, bem como o tráfico para esse fim, em aplicação do direito comum. As crianças também devem ser protegidas de forma eficaz contra a exploração sexual.
  4. Exigem o desaparecimento do código penal das disposições que sancionam especificamente o “aprovisionamento”. Supostamente nos protegem dos exploradores, também impedem a prática da prostituição ao nos negar a possibilidade de nos organizarmos (impedindo-nos, por exemplo, de compartilhar um local de trabalho) ou de nos beneficiarmos de qualquer ajuda externa. Estas disposições têm também como consequência isolar-nos cada vez mais do resto da população, acusando-nos de procurar qualquer pessoa que beneficie dos nossos rendimentos, incluindo membros da nossa família ou amigos, a menos que provem que o seu estilo de vida corresponde a seus recursos.
  5. Por último, opõe-se veementemente à penalização dos clientes na França. A lei já permite punir as agressões ou agressões sexuais, bem como “clientes” de menores, em particular pessoas vulneráveis ​​ou vítimas de trabalho forçado ou tráfico. Sancionar clientes de profissionais do sexo adultas, na ausência de qualquer abuso ou violência, não só mina a liberdade sexual, mas também tem o efeito de piorar a situação, tornando o trabalho e a vida mais precários.

Rejeitamos a ideia de que somos, por princípio, vítimas que deveriam ser salvas, contra a nossa vontade.

Manifestações contra crime de solicitação pública

Na França, profissionais do sexo representadas pelo STRASS entraram na luta no 2015 para a revogação do crime de solicitação pública. Quaisquer que sejam as opiniões sobre a prostituição, o povo francês é unânime em afirmar que as prostitutas não devem ser penalizadas. Na prática, a lei de solicitação pública implicava que os clientes estavam cometendo um delito na hora de solicitar os serviços de uma acompanhante.

A STRASS afirmou que o crime de solicitação publica, só ia reforçar o status dos trabalhadores sexuais de pessoas “socialmente inadaptadas”, o que é estigmatizante e devia ser revogado.

Atendimento para denúncias de violência

O STRASS criou um endereço dedicado para profissionais do sexo que tiveram uma experiência de violência psicológica e / ou física, abuso, extorsão, intimidação, chantagem, ameaças, falta de pagamento, etc. Você pode entrar em contato conosco para obter informações, aconselhamento jurídico ou até mesmo suporte para registrar uma reclamação e as consequências (na medida do possível). Você pode escrever para nós em service-juridique@strass-syndicat.org Entre em contato conosco em caso de violência: violences@strass-syndicat.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.